terça-feira, 19 de maio de 2015

Chantagem: um dos problemas enfrentados por pais e filhos

A criação de filhos nunca foi uma tarefa fácil, ainda mais considerando que filho não vem com manual de instruções. Dúvidas e dificuldades podem pairar na cabeça de quem está na condição de parentalidade, ou seja, no papel de pai, mãe ou outro cuidador de criança ou adolescente. Os maiores problemas enfrentados na família e que sempre existiram são as dificuldades nos relacionamentos íntimos (entre pais e filhos, entre o casal ou entre irmãos). 

Chantagem... Dúvidas e dificuldades podem pairar na cabeça de quem está na condição de parentalidade, ou seja, no papel de pai, mãe ou outro cuidador de criança ou adolescente.


Um dos problemas que surgem na família são dificuldades de relacionamentos entre pais (ou outros cuidadores das crianças) e filhos. Dentre esses problemas estão a influência e as consequências de atitudes equivocadas de muitos pais e mães que, acreditando que está fazendo o melhor, se utilizam da chantagem como recurso para controlar o comportamento de filhos. 

Mas essa conduta dos pais tem consequências, quando eles se fazem de vítima - dizem que não vão mais gostar de suas crianças ou adolescentes ou ameaçam abandoná-los  por causa de algo que fizeram - e usam como estratégia punitiva essa retirada do amor, isso leva a problemas como distúrbios emocionais de comportamentoque impedem o desenvolvimento de suas potencialidades e seu processo de individuação. 


Punir os filhos... Dentre esses problemas estão a influência e as consequências de atitudes equivocadas de muitos pais e mães que, acreditando que está fazendo o melhor, se utilizam da chantagem como recurso para controlar o comportamento de filhos.

Muitas são as consequências da chantagem dos pais. Dentre elas, a criança:
  • Teme ser abandonada;
  • Desenvolve fortes sentimentos de culpa pelo bem ou mal-estar do outro;
  • Passa a acreditar que tudo que acontece com outras pessoas é culpa dela;
  • Sente que não é boa suficiente para os pais;
  • Sente falta de suporte ambiental, de cuidado e segurança parental;
  • Internaliza pais negativos (punitivos, desamorosos, negligentes) formando mitos negativos sobre o mundo e os outros;
  • Desenvolve uma auto-imagem negativa;
  • Tem seu self organizado de forma distorcida;
  • Produz padrões de contato não nutritivos. 
Muitos são os motivos pelos quais os pais ou outros cuidadores de crianças acabam tendo esse tipo de conduta e geralmente são pela tentativa de acertar na educação e devido a preocupações de como as crianças serão no futuro. Mas, os conhecimentos da psicologia sobre esse tema mostram que há motivos que não são percebidos pelos pais que fazem isso, são motivos inconscientes.


Chantagem de Mãe, Mas, os conhecimentos da psicologia sobre esse tema mostram que há motivos que não são percebidos pelos pais que fazem isso, são motivos inconscientes.

Dentre os motivos inconscientes podem estar: o fato de alguns pais possuírem questões não resolvidas de sua própria infância e transferem inconscientemente para a criança suas fraquezas, fracassos, impotências e/ou ódios na busca de alívio da própria dor e frustração por carregarem ainda esses sentimentos; ou a experiência de alguns pais terem vivido esse tipo de relação com os próprios pais, tendo a chantagem como forma de controle de seu comportamento na sua infância e acabou adotando essa estratégia como um modelo de criação de filhos.


Relacionamento Familiar... É possível se livrar de velhas feridas delegando-as aos próprios filhos. Dessa forma, os distúrbios emocionais e de comportamento da criança surgem dos conflitos inconscientes dos pais que são projetados (direcionados) nela, resultando em dilemas que são introjetados (internalizados) pela criança.

É possível se livrar de velhas feridas delegando-as aos próprios filhos. Dessa forma, os distúrbios emocionais e de comportamento da criança surgem dos conflitos inconscientes dos pais que são projetados (direcionados) nela, resultando em dilemas que são introjetados (internalizados) pela criança.

Mas, como as crianças não costumam culpar seus pais ou o mundo por seus problemas, elas acabam imaginando que elas próprias são más, que fazem algo errado, que não são suficientemente bonitas ou inteligentes. As crianças passam a funcionar na vida com idéias que não lhe pertencem e crescem acreditando no que ouvem dos outros acerca de si próprias.



Bronca em criança, bronca em adolescente... As crianças passam a funcionar na vida com idéias que não lhe pertencem e crescem acreditando no que ouvem dos outros acerca de si próprias.

Assim começam, muitas vezes, as doenças psicológicas, que são doenças do AMOR: da falta de amor, do excesso de amor, do amor possessivo e egoísta, do amor deformado que gera o medo de amar e de ser amado. A criança pode desenvolver sintomas neuróticos, sintomas físicos, comportamento destrutivo ou autodestrutivo por não ter estratégias sofisticadas para administrar sentimentos difíceis nem recursos internos para entendê-los e regular suas emoções.

Frases de Família, A criança pode desenvolver sintomas neuróticos, sintomas físicos, comportamento destrutivo ou autodestrutivo por não ter estratégias sofisticadas para administrar sentimentos difíceis nem recursos internos para entendê-los e regular suas emoções.

É muito importante que pais e outros cuidadores saibam que o desenvolvimento da autoconfiança é a base de uma personalidade saudável. E o que a criança ou adolescente mais precisa na sua relação com a família é a linguagem do amor e a linguagem do amor é o respeito, a aceitação, a empatia, a compreensão, a confirmação da sua presença em relação a outras pessoas, da sua individualidade e inclusive das suas deficiências.

A criança saudável constrói um sólido sentimento de auto-estima, auto-respeito que lhe dá a crença: “Eu posso ser amada, eu tenho valor”. E um mundo melhor e mais feliz é feito de gente com auto-estima e auto-respeito e com esses sentimentos é possível amar ao próximo e respeitá-lo.


Desenvolvimento saudável, criança feliz, adolescentes... A criança saudável constrói um sólido sentimento de auto-estima, auto-respeito que lhe dá a crença: “Eu posso ser amada, eu tenho valor”.

Espero que essa postagem possa lhe esclarecer e lhe ajudar. Se você conhecer alguém que possa se beneficiar com esse conhecimento, então, compartilhe-o. Vamos disseminar conhecimentos úteis!


Referências consultadas:


1 - Antony, S. A criança em desenvolvimento no mundo: um olhar gestáltico;

2 - Hisada, S. (1998). A utilização de histórias no processo psicoterápico: uma proposta Winnicottiana. Rio de Janeiro: Revinter. 

3 - Oaklander, Violet (1980). Descobrindo crianças: a abordagem gestáltica com crianças e adolescentes. São Paulo: Summus;

4 - Soares, L. L. M. (2005). Um convite para pensar sobre desenvolvimento em Gestalt-Terapia;

5 - Trindade, I.; Teixeira, José A. Carvalho. (2000). Psicologia nos cuidados de saúde primários. Lisboa: CLIMEPSI. 

ARTIGOS